PORQUE ESCOLHER UMA IMOBILIÁRIA

Somente uma empresa especializada tem capacidade para apontar as melhores opções e experiência em, compra e venda de imóveis. Ou seja, traz mais segurança e tranquilidade para a transação. Quer saber mais sobre as vantagens de contar com uma imobiliária? Acompanhe o artigo!

1. Conhecimento de mercado

Os profissionais de uma imobiliária têm conhecimento e experiência de mercado. Assim, conseguem analisar todas as características do imóvel, permitindo determinar de maneira isenta o valor real da propriedade, seja para venda, seja para compra ou locação.

Quando um proprietário resolve colocar seu bem à venda ou para locação, ele quer ter o máximo de lucro. No entanto, se ele estipular um valor acima do mercado, dificilmente a venda se concretizará. Nesse mesmo sentido, uma pessoa que procura um imóvel para comprar, ou alugar, deseja não ser enganada com preços abusivos.

Além disso, outra vantagem é que o corretor está atualizado sobre as regras de financiamento imobiliário, que facilita e agiliza a negociação tanto do vendedor quanto do comprador. Um último ponto que vale ser ressaltado é que uma imobiliária é obrigada por lei a fornecer todas as informações solicitadas por seu cliente. Isso garante a segurança e total transparência do negócio.

2. Elaboração de contrato válido

O mercado imobiliário tem legislação bastante específica e que tende a ser bem complexa para quem não está familiarizado com o tema. Por esse motivo, uma compra pode ser cancelada devido a erros no contrato, o que resulta em prejuízo financeiro. Ainda, há a possibilidade de diversos problemas para locador e locatário no processo de venda caso o contrato não seja elaborado de forma correta.

Para evitar que isso aconteça, as melhores imobiliárias contam com um setor jurídico responsável por elaborar e analisar todas as condições do contrato. Isso é feito para ter certeza de que o documento é válido perante a lei e que atende perfeitamente aos direitos e deveres de ambas as partes.

O contrato é o documento mais importante em uma negociação imobiliária, afinal, o objeto é um bem com valor elevado. Por isso é imprescindível que seja redigido por alguém com conhecimento para identificar eventuais falhas ou para incluir determinadas cláusulas que devem constar na documentação.

Isso garante a preservação do que foi acordado entre as partes dentro dos termos legais. Assegura, também, que haja ao que recorrer em casos de quebra de contrato.

3. Respaldo jurídico

Em casos de venda ou, a imobiliária é responsável pela elaboração de um documento denominado “Instrumento Particular de Venda e Compra”, no qual constam de forma detalhada os valores da transação e todas as formas e condições de pagamento combinadas entre as partes.

O documento ainda menciona todas as cláusulas legais para mantê-lo juridicamente válido e, desse modo, permitir as garantias para ambas as partes. Ou seja, ele tem cunho jurídico e serve como garantia da compra da propriedade, gerando maior segurança para o fechamento do negócio.

4. Consultoria personalizada

Encontrar um novo imóvel para morar não é uma tarefa fácil. Afinal, surgem inúmeras dúvidas durante o processo. Além disso, ele precisa atender às suas necessidades e desejos. Os corretores imobiliários conseguem analisar e entender as preferências de seus clientes.

Outra vantagem desse serviço é a economia de tempo. Atualmente, é muito difícil que uma pessoa tenha bastante tempo disponível para fazer inúmeras visitações a apartamentos e casas. Quando o corretor conhece as exigências e possibilidades de seu cliente, tem condições de fazer uma triagem do que há disponível no mercado.

Assim, somente as unidades que interessam ao comprador ou locatário são selecionadas para visitação, economizando bastante tempo e otimizando a procura e decisão.

Dessa forma, ele consegue encontrar um imóvel que atenda — ou até supere — suas expectativas. Contudo, a consultoria vai além da busca por um imóvel. A imobiliária presta o serviço do começo ao fim, isto é, desde a procura por um lugar ideal para morar até o pós-venda ou a saída do locatário, conforme o caso.

5. Economia

Há pessoas que pensam que economizarão ao fechar um negócio imobiliário, visto que não há o pagamento de comissão. No entanto, os valores gastos no processo sem ajuda profissional podem ultrapassar o valor das taxas cobradas por uma imobiliária. No caso de imóvel, se houver expiração do prazo de apresentação de determinados documentos, pode ocorrer a perda da concessão do crédito.

Há outras questões envolvidas, como registro do imóvel no nome do novo proprietário, redação do contrato, como já mencionado, e outros pontos que, se apresentarem problemas, geram despesas que certamente são evitadas com a contratação de uma imobiliária de confiança.

Em casos de locação, a imobiliária garante a conservação do imóvel e, caso haja danos, tem meios jurídicos de fazer o inquilino devolver o local no mesmo estado em que o recebeu. Também assegura que o locador receberá o aluguel, evitando golpes e danos financeiros.

Do mesmo modo, o locador pagará um valor justo pelo local escolhido e não terá surpresas negativas com a infraestrutura do imóvel. Isso porque a imobiliária realiza vistorias para se certificar sobre o estado em que o apartamento ou casa está sendo entregue, evitando que o novo morador tenha despesas imprevistas com consertos ou reformas.

6. Maior segurança na negociação

Em decorrência dos pontos já apresentados, pode-se afirmar que contratar uma imobiliária traz maior segurança em toda a transação para ambas as partes. O corretor faz com que o imóvel ou aluguel seja negociado a um preço justo. O contrato redigido pela imobiliária faz com que todos os direitos e garantias sejam preservados.

Ademais, seus profissionais têm experiência e conhecimento para realizar todo o processo burocrático de forma correta e confiável, sem perder prazos, evitando despesas desnecessárias e providenciando toda a documentação necessária para a efetivação do negócio.

O SONHO PARA MUITAS PESSOAS

Quando se entra no processo de aquisição de imóveis, são várias as dúvidas que acabam por surgir, especialmente no que diz respeito ao financiamento. Se está a pensar em adquirir um imóvel e precisa de recorrer a financiamento, neste artigo, poderá ver todas as suas dúvidas respondidas sobre o Crédito Habitação, desde o que é, como funciona, onde e



ENERGIA RENOVÁVEL

Uma vez evidente o desequilíbrio entre desenvolvimento econômico e o meio ambiente, muito tem se falado sobre a preservação dos recursos naturais do planeta.


Crescem as exigências para a conscientização da possível falta de recursos fósseis e a necessidade de se reduzir a emissão dos gases causadores do efeito estufa na atmosfera. Com isso, uma série esforços têm acontecido para promover a adoção das energias renováveis e limpas ao redor do mundo.



O que é Energia Renovável


Energia renovável é toda fonte de energia que vem de recursos naturalmente reabastecidos, ou seja, que são capazes de manter-se disponíveis na natureza por um longo tempo e também de se regenerar permanentemente, ou seja, de se renovar.


O ano de 2015 foi considerado o “ano da energia renovável”, isso devido ao fato de que cerca de 90% das novas energias geradas na época vieram de fontes de origem renováveis. Além disso, houve um investimento de, aproximadamente, 286 bilhões de dólares no desenvolvimento de energia solar, de biocombustíveis e eólica.


As fontes de energia renováveis servem não só como papel crucial na diminuição do efeito estufa, na preservação do meio ambiente e da espécie humana, mas também possuem bastante importância na economia de utilização dos recursos não renováveis.



Fontes de Energia Renovável


Dentre as fontes de energia disponíveis no planeta, existem as energias renováveis e as não renováveis. As fontes de energia não renováveis dispõem de recursos limitados teoricamente, que dependem dos recursos presentes no nosso planeta.


Os combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural), por exemplo, são considerados uma fonte não renovável de energia, pois, apesar de conseguirem se regenerar, o processo demora milhões de anos para ser concluído e, com a demanda que temos hoje, esses recursos serão extintos dentro de poucos anos.


Quanto às fontes de energia renováveis, podemos citar a solar, a eólica, a hídrica, a de biomassa, a geotérmica e a dos oceanos (ondas e marés).



Os tipos de Energia Renovável são:


Solar: A energia solar é aquela obtida pela luz solar e pela radiação que ela emite sobre a Terra. Esse tipo de recurso é considerado o mais abundante e com maior disponibilidade em todo o planeta. Além disso, seu potencial energético é bastante eficiente, podendo ser transformado em calor ou em electricidade através dos painéis solares fotovoltaicos ou térmicos para aquecimento do ambiente ou de água, por exemplo.


A utilização de energia solar fotovoltaica transforma a radiação solar em energia elétrica por meio das células fotovoltaicas de painéis ou módulos solares que ficam expostos sob a luz do sol. É o sistema mais comum utilizado em grandes projetos de usinas solares e também em lares e comércios.


Já a utilização da energia solar térmica, converte o calor da luz solar em energia térmica que pode ser usada para aquecimento de água (aquecedor solar). O sistema é feito por meio de espelhos coletores que refletem, de forma concentrada, a luz do sol a um ponto específico, promovendo calor a altas temperaturas.


Eólica: Na energia eólica, utiliza-se da força dos ventos para gerar energia elétrica. Esse sistema se utiliza da força motriz gerada nas turbinas através das pás de grandes cataventos que são fixadas em locais onde há grande circulação de massas de ar. Esse tipo de energia, apesar de sua eficiência energética, possui algumas limitações como o caráter inconstante dos ventos e o fato de ser mais viável para a geração de energia centralizada do que para os consumidores.


Hídrica: No sistema de geração de energia através dos recursos hídricos, utiliza-se da força da água, que são represadas dos rios e liberadas conforme a necessidade de geração para movimentar turbinas. Essa tecnologia é a mais usada no Brasil, cerca de 70% da eletricidade fornecida provém das grandes hidrelétricas que se espalham pelo país.


Biomassa: A geração de energia através da biomassa se dá pela queima de materiais orgânicos não fósseis, como bagaço da cana-de-açúcar, o álcool, madeira, etc. Um dos principais pontos da utilização desse sistema de geração de energia está no aproveitamento de resíduos agrícolas que, teoricamente, seriam descartados e na possibilidade de cultivo. Os biocombustíveis (biogás, bioalcool, biodiesel, entre outros) são obtidos na transformação desses resíduos orgânicos. Apesar de a queima desses materiais liberarem gases poluentes, ela ainda é considerada uma fonte de energia limpa, pois todo CO2 gerado é sequestrado no cultivo dos materiais orgânicos.


Geotérmica: A energia geotérmica é gerada por meio do calor interno da Terra. Sua utilização é feita através do aproveitamento de águas quentes e vapores do subsolo para a produção de eletricidade. Basicamente, é injetada grandes quantidades de água no subsolo por meio de dutos especiais; essa água, quando exposta ao calor, vira vapor e será transportado pelos mesmos dutos até chegar as turbinas. Apesar de ser uma energia com fonte renovável, a geotermia causa impacto ambiental através de eventuais emissões de poluentes, além de terem um elevado custo de implantação e manutenção.


Oceânicas: Os oceanos podem ser utilizados de diversas maneiras como uma forma de geração de energia renovável. Essas formas são obtidas a partir do movimento das ondas, das marés ou da diferença de temperatura entre os níveis da água do mar.


No aproveitamento da energia das ondas, o movimento da água pode ser utilizado para forçar o ar para dentro e para fora de uma câmara acompanhando um pistão ou rotacionando uma turbina que pode abastecer um gerador de energia elétrica.


Quanto à energia das marés, o aproveitamento se dá através do aprisionamento da água em maré alta e da vazão quando há maré baixa, sendo um pouco similar aos sistemas de hidrelétricas.


Ainda há a opção de se aproveitar a energia térmica oceânica por meio do fluxo de calor das diferenças de temperatura entre as águas profundas e superficiais do mar.


A utilização da energia oceânica na produção de energia renovável não é muito usada, no entanto. Os custos e o impacto ambiental da implementação do sistema em relação à quantidade de energia que pode ser obtida não são muito favoráveis para os atuais meios económicos.



Vantagens e desvantagens da Energia Renovável

A primeira e principal vantagem da utilização de energias renováveis está no fato de que possuem fonte inesgotável e que se regenera. A produção de energia por meio de recursos renováveis é uma grande aliada no combate à emissão de gases do efeito estufa e do aquecimento global.


Outro ponto a ser abordado é que não possuem tanto impacto na natureza quando comparadas às fontes de energia de origens fósseis. Além disso, podem promover a autonomia energética, oferecem menos risco do que a energia nuclear, por exemplo, e ainda contribui para melhorar a qualidade de vida no planeta.


Quanto às vantagens negativas, destaca-se a geração de alguns problemas ecológicos, como a destruição da fauna e da flora em locais inundados pelos rios quando ocorre a instalação de hidrelétricas e a barreira à migração de certos peixes.


Podemos citar, ainda, os elevados investimentos em infra-estruturas adequadas que alguns sistemas exigem como o de energia eólica e a solar. A energia gerada por biomassa, por exemplo, não é uma fonte totalmente limpa, apesar do cultivo do material a ser queimado ajudar com a emissão do CO2.